Main Bhi Ladki Hoon (1964)

25.6.11 Carol Batista 0 Comments

Tudo o que eu queria quando assisti a Main Bhi Ladki Hoon era ver um filme dos anos 60. Tive uma experiência até engraçada com ele, analisemos.

Resumo do filme:

O diretor é A.C. Trilogchander, que conheço desde...bem, agora. Os papéis principais ficaram com Meena Kumari e Dharmendra, casal que nunca havia imaginado. A história é mais ou menos a seguinte: Ram (Dharmendra) é um pintor que acha a beleza física mais importante que tudo. Seu malvado tio (Om Prakash) diz que encontrou uma linda noiva para o sobrinho, mas na verdade planeja casá-lo com a irmã da moça: Rajni (Meena Kumari), que é analfabeta, tem pele escura e é feia. O pobre Ram só descobre a verdade sobre sua noiva na hora do casamento, quando decide se casar para não desgraçar a vida de Rajni. A pobre mulher acredita que finalmente teve sorte, já que encontrou um noivo bonito e bom, mas ainda tem que enfrentar a resistência de seu sogro ao casamento. O sogrão chato queria uma nora que fosse tão bela quanto sua falecida esposa, já que nunca superou a morte desta. Enfim, não há nada de muito diferente na história.


O que vocês acham que aconteceu? Sofrimento, uhul! A coitada da Rajni passou o filme todo mostrando às pessoas como sua aparência e falta de instrução ficavam ofuscadas diante da bondade de seu coração. Eu já havia ouvido falar sobre a Meena Kumari ser a rainha do drama na antiga Bollywood, e realmente entendi o título agora. Ela não se impõe em momento algum, só curva a cabeça frente a todo o preconceito e fica se perguntando o porquê de ter nascido. Não, não! Isto é um filme da Meena Kumari, ela não se pergunta simplesmente  o porquê de ter nascido assim, mas sim o [PORQUÊÊÊÊÊÊ + lágrimas] de ter nascido assim.

Manorama e a pintura de criança mais feia de todos os tempos :D
No meio dessa mesmice, gostei de ver a Rajni conquistando o amor, o respeito e a confiança de seu sogro com paciência. No início do filme, Rajni o ouviu dizer que a falecida esposa usava uns anéis (ou algo do gênero) nos dedos dos pés, e que se ouvia sua chegada por toda a casa. A moça foi imitá-la e o sogro fez um grande escândalo, já que aquela criatura amargurada só se animava a abrir a boca para reclamar. Quando já estavam bem, o fato de ele ter pedido para ela usar os anéis outra vez foi a cena mais significativa da aproximação nora-sogro. Não digo que foi uma linda cena, mas foi legal. Depois ele a acusou de estar tendo um caso com seu filho mais novo (que apenas a estava ensinando a ler), mas já que o texto é curto, fiquemos com o que havia de bom.

A moça com quem ele se casaria,
o tio malvado e o paizão chato.
A pior coisa do filme era o personagem do Dharmendra. O Ram era um amor de pessoa e estava se dando bem com a Rajni, mas só faltou bater nela ao descobrir que era analfabeta (e ela chorooooou). Gente, ele até gritou "minha vida foi arruinada!", aí perdeu toda a moral comigo. *Hora do spoiler: ela estava grávida e a briga foi tão tensa que acabou perdendo o bebê. Adivinhem o que fez depois? Acertou quem respondeu que chorooooou, gritou que já deveria ter morrido e ficou se culpando pela morte do bebê. E depois, quando a esposa estava sofrendo devido ao aborto, o lindo foi viajar. Grrrrrr! *fim*

Não sei nem mais o que dizer deste filme. É apenas este drama eterno, mais nada. O pior foi que ele nem me incomodou, achei até agradável ver o chororô da Meena. Ver um filme estando de bom-humor faz toda a diferença, jamais esqueçam. Vou terminar com duas indicações de vídeo: Chanda Se Hoga Wo Pyaara (P.B. Sreenivas & Lata), porque achei meigo o casal cantando para o futuro filho, e Krishna, O Kale Krishna (Lata Mangeshkar) para vocês verem um dos momentos em que a Meena choroooooooou! Brincadeira, a música é muito bonita. Até depois!


Ps: juro que lembro de uma cena em que o indivíduo abaixo disse ter 14 anos.


0 comentários:

E aí, o que tem a dizer? Deewaneie!

Comentários ofensivos serão excluídos.