Notas sobre Agent Vinod (2012)

3.6.12 Carol Batista 0 Comments

Em vez de fazer um texto em formato tradicional, vou ter que escrever só umas notas sobre Agent Vinod, já que não consigo organizar o filme o suficiente na minha cabeça para escrever parágrafos coerentes que levem a alguma conclusão. Sim, a coisa chegou a este nível.

Créditos super legais! Me lembraram os de Tashan.

Saifu. Bebo. Espiões. Só o santo padroeiro de Bollywood sabe o quanto eu queria amar este filme e não estava me importando com as críticas. E só ele sabe o quão decepcionada e confusa fiquei com aquela bagunça.

O que entendi da história: tinha uma bomba nuclear (?!), ela ficava passando de mão em mão e o agente Vinod (Saif Ali Khan), da Inteligência Indiana, tinha que achar as pessoas e pegar a bomba. Por que todo o mundo se matava? Sei lá.

O papel da Kareena era estranho. Iram é uma pessoa de caráter ambíguo que nunca sabemos se está falando a verdade ou não, mas mesmo assim não tinha muito conteúdo ali. O Saif deve tê-la chamado para atrair o público dela para o filme, mas como fã da Bebo digo que foi um erro, um tremendo erro. A personagem é chatinha e fica metade do filme fazendo cara de triste e sendo carregada pelo Vinod, o que não é um papel para alguém com a energia de Kareena Kapoor! Ele deveria ter chamado alguma novata a fim de crescer, uma atriz do Sul com vontade de estrear em Bollywood ou coisa do tipo. Ficar esperando pelo grande "boom" da Bebo é torturante. Minha amiga Jo sempre diz que para ela, a Bebo faz a mesma cara em todas as atuações, coisa da qual discordo. Menos neste filme.

Chatinha.

Ficando divertida...

...e chatinha de novo.

A ação do filme é uma droga, sóri ae a quem fez. Fizeram uma bagunça sensacional na primeira cena de ação, que eu estava ansiosamente esperando. Tudo ficou escuro, enrolado, até mesmo colocaram a imagem de ponta-cabeça. Ponta-cabeça, cara. Não.

Fonte: Hindustan Times


E eu estava sentindo uma certa vergonha pelo Saif, apesar de não querer. Ele estava até melhor do que imaginei, mas para mim estava claro que ele estava achando muito legal ficar sendo o poderosão, salvando o mundo vestido em seu smoking. Entendem minha questão? Não tem problema ele achar legal, até eu acharia o máximo ficar gravando cenas de ação. Mas estar estampado na sua cara que você está achando tudo super incrível enfraquece o personagem. Na verdade, é bem provável que eu só tenha enxergado assim por saber o quão especial este filme era para o Saif. Conclusão: pare de ler fofocas, ou vai ficar tendo esse tipo estúpido de impressão de alguém que está seriamente se esforçando para fazer algo bom. Auto-recriminação: sou dessas.

O que eu queria com o filme era me divertir muito, o que dependia 80% de gostar da ação. Então...


● Letônia, Marrocos, Paquistão: as locações escolhidas foram interessantes.

 É triste em Bolywood quando filme e música não se completam. Parecia que o filme estava rolando e alguém ligou o rádio em alguma estação aleatória. Eu queria gostar de Pungi, mas não consegui. Raabta é a música mais doce. Como foi mostrada? No meio de um tiroteio, enquanto uma pianista cega a cantava. Muito, muito errado.

● Passei o filme TODO esperando o tal mujra da Kareena. Não foi nada fantástico como eu imaginava, mas Shammi do céu, ela estava linda! Minha mãe chegou pouco antes e disse que ela nem se comparava à outra dançarina, que descobri se chamar Maryam Zakaria.

Sim, sei que estou exagerando nas fotos da Kareena.

● Casal principal, procuro até agora o momento em que vocês se apaixonaram.

Seus lindos.

● QUAL FOI A DO FINAL? Errado em dez, cem, mil, um milhão, um trilhão, todos os níveis!

Continuo torcendo pelo Saif, que está precisando de um sucesso desde Love Aaj Kal. E mesmo não tendo gostado, queria que Agent Vinod tivesse dado certo para ele. Melhor sorte no próximo, Saifu!

0 comentários:

E aí, o que tem a dizer? Deewaneie!

Comentários ofensivos serão excluídos.