Entrevista com a designer Aline Carneiro

23.12.16 Carol Batista 1 Comments

Em janeiro deste ano, recebi uma curta e meiga mensagem no inbox do Deewaneando no Facebook. O texto dizia apenas "Um desenho para você". Logo abaixo vinha  uma belíssima imagem colorida, parecendo um desenho, de Waheeda Rehman - que é minha atriz favorita. O encantamento foi imediato e não sabia do que gostava mais: da qualidade do trabalho ou de haver mais uma fã de cinema indiano antigo.

Aquele foi o primeiro contato de vários durante os meses em que recebi muitas outras imagens por meio das quais conheci o trabalho da Aline Carneiro, designer carioca que divide seu tempo entre o trabalho e sua arte. A cada vez que ela me mandava uma nova imagem, aumentava minha vontade de apresentar seu trabalho ao público do blog. E hoje finalmente consegui trazer a vocês o trabalho dela juntamente com uma entrevista na qual a Aline fala sobre sua vida, influências e projetos. Devido às atrizes antigas serem pouco conhecidas, coloquei as fotos originais ao lado da versão da Aline e também pus seus nomes nas legendas. Espero que vocês se sintam tão inspirados quanto eu.

Waheeda Rehman

Deewaneando: Como foi a entrada da arte na sua vida? Você trabalha na área ou é um hobby?

Hrithik Roshan
Aline: Eu percebi que tinha aptidão e gostava de desenhar desde muito criança. O primeiro desenho que eu fiz que impressionou adultos foi um elefante. Daí continuei desenhando, fiz curso técnico em Publicidade e faculdade de Desenho industrial com habilitação em programação visual.

Desde que eu me formei, sempre trabalhei na área de Design, como autônoma por um tempo e depois em algumas empresas. Em 2006 passei para a Multirio, empresa de educação que produz material audiovisual para a rede municipal de ensino. E em 2012 eu comecei no IBGE, onde exerço a função de produtora editorial e gráfica, mas também ilustro e faço algumas capas de publicações. Esse ano editorei e ilustrei a cartilha do entrevistador que foi distribuída para funcionários do Brasil inteiro. Me orgulho muito do meu trabalho.

Fora do meu trabalho, sempre gostei de desenhar sobre o que eu leio e sobre o que eu gosto. Já fiz desenhos sobre Harry Potter, Senhor dos Anéis, retratos de artistas de Hollywood. Eu também gosto de escrever.

Suraiya

Deewaneando: E você compartilha esses desenhos que faz fora do trabalho? O que você escreve?

Aline: Ah, quando eu estava muito apaixonada por Harry Potter escrevi uma série de fanfics. E hoje estou escrevendo uma história de fantasia.

Madhubala

Sobre compartilhar, sim, compartilho no Facebook, no Pinterest, no Instagram. Além da série das Divas de Bollywood, desde 2009 sempre faço o que chamo de "Retratos das Quatro Estações" onde retrato a mim (normalmente melhorada) e a mais 3 amigas como estações do ano. Eu sou o inverno. Cada retrato tem uma temática diferente. Já fiz as quatro estações como bonecas russas, africanas, nordestinas, andinas, roqueiras, steampunk e, logicamente, indianas. Até como gatinhos japoneses. Cada desenho sempre num estilo estético diferente.


Shahrukh Khan
Deewaneando: Aproveitando que você citou, explique um pouco da série Divas de Bollywood. Como teve a ideia e qual é o processo de criação?

Aline: Assim que me interessei por Bollywood, só via filmes contemporâneos, principalmente do Sharukh Khan, que é meu ator favorito. Mas quando quando comecei a acessar o Pinterest tive acesso a muitas fotos e cartazes antigos de Bollywood e fiquei muito encantada com a iconografia da Bollywood antiga. Um cartaz do filme Baarish que retrata a Nutan na chuva me encantou especialmente e comecei a colecionar esse tipo de imagem. Pouco depois comecei a ler as biografias daquelas artistas. Fiquei tão tocada por vidas trágicas e histórias memoráveis como a da Madhubala, por exemplo.

Foi só então que comecei a assistir filmes antigos e realmente me encantei por atrizes como Nargis, Nutan, Meena Kumari. Não tem muita fan art de Bollywood dedicada aos artistas antigos. Então eu escolhi que procuraria particularmente atrizes com biografias que me atraíssem para retratar. E assim nasceu a série das divas. Já tinha retratado antes o Sharukh Khan e o Hrithik Roshan. Mas foi em 2008 mais ou menos. A série das divas tem outra motivação.


Kajol

Porque a indústria imortalizou essas mulheres, mas ao mesmo tempo as maltratou muito. Surayia nunca se casou porque amava um homem com uma religião diferente. Nargis escondeu seu romance por um tempo enorme para esquecerem que ela tinha feito papel de mãe do marido. Madhubala morreu tão jovem, Meena Kumari e Smita Patil também. Você não vê o mesmo grau de sofrimento e sacrifício nas biografias da maioria dos atores de Bollywood.

Claro que ainda não retratei todas as que pretendo. Estou devendo um da Helen, por exemplo, e eu a adoro. Ao mesmo tempo, não fiquei muito satisfeita com o retrato que eu fiz da Mumtaz, por exemplo, então não descarto retratá-las mais de uma vez.

Smita Patil

Minha escolha é retratá-las a partir de fotos icônicas, preferencialmente de filmes muito significativos na carreira de cada uma. Eu desenho no programa Adobe Illustrator e finalizo no Photoshop. Mas normalmente eu prefiro fazer todo desenho no Illustrator, inclusive nuances de luz e sombra.

Vyjayanthimala


Deewaneando: Tem alguma que seja a sua favorita?

Meena Kumari
Aline: Bem, certamente a da Meena Kumari é uma das que eu mais gosto, mas também acho que captei bem a essência da Waheeda Rehman e da Rekha.

Deewaneando: Como você entende que sejam as essências delas?

Não tenho ilusão de achar que retrato exatamente a essência, mas creio que dá para fazer uma homenagem quando a gente consegue reproduzir o olhar delas em cada personagem. A Nargis, por exemplo, tinha uma força, uma expressão de coragem, a Nutan era a meiguice em pessoa. Há uma grandiloquência na Bollywood antiga que hoje meio que se perdeu e a gente vê em uma ou outra personagem de filmes épicos como Bajirao Mastani e Baahubali.

Ah, sim, falando em essência, não posso esquecer quando a tragédia passa da atriz para a personagem. Eu acho que gosto muito do retrato que eu fiz da Meena Kumari porque sei que ela praticamente filmou as últimas cenas de Pakeezah às portas da morte.

Rekha

Deewaneando: Para finalizar, quais indicações de filmes você daria a outros fãs de cinema indiano que queiram conhecer a época de Bollywood onde ainda havia grandiloquência em tela?

Aline: Bom, pra começar, Mother India, Mughal-E-Azam, Pakeezah, qualquer filme, mesmo que seja ruim, em que a Waheeda esteja presente ou a Vyjayanthimala esteja dançando. E química na tela, é so ver a Rekha e Big B (Amitabh Bachchan) juntos, apesar das cafajestadas dele.

Um comentário:

E aí, o que tem a dizer? Deewaneie!

Comentários ofensivos serão excluídos.