Veer-Zaara (2004)

15.12.15 Carol Batista 3 Comments

Veer-Zaara foi um dos primeiros filmes indianos que assisti. É fácil lembrar da minha alegria ao encontrar mais um filme com Shahrukh e Preity Zinta, que eu amava tanto por conta de Kal Ho Naa Ho. Todas as fotos sugeriam um filme grandioso e com muitas paisagens naturais – dois elementos mais do que suficientes para me capturar até hoje. Gostei do filme e percebi sua importância, mas foi apenas ao reassisti-lo recentemente que entendi a extensão do encanto de Veer e Zaara. Sinto saudades daquele Shahrukh Khan.


O clássico moderno de Yash Chopra nos traz Veer Pratap Singh, líder de esquadrão da Força Aérea Indiana. Veer resgata a jovem Zaara de um acidente de ônibus que sofreu enquanto viajava até a Índia para realizar o último desejo da criada que acompanhou por toda a vida: imergir suas cinzas nas águas de seu país natal. O piloto decide ajudar a jovem paquistanesa em sua jornada e apresentar as belezas da Índia para ela, que aceita o convite. É durante esta jornada que surge o amor entre eles, mas o sentimento já nasce fadado ao fracasso: Zaara é filha de um poderoso político paquistanês e está noiva de um jovem cuja família é uma conexão política essencial para seu pai. Resta a Veer lutar por seu amor.

Este filme vem da linha de filmes dos anos 2000 que passaram a representar de forma diferente as relações entre Índia e Paquistão. Nos antigos filmes patrióticos, o Paquistão geralmente era retratado como o inimigo que deveria ser combatido e a guerra entre os países servia como pretexto para exaltar os soldados indianos e o orgulho da própria terra. Em Veer-Zaara, a rivalidade entre nações é usada para aumentar a distância e os obstáculos enfrentados pelo casal. A inimizade deixa de ser familiar e passa a ser entre países, dignificando o casal que luta para se unir e também dando uma dimensão maior ao seu amor.



Com a escala de dificuldades em tão alto nível, não é de se admirar que Veer apareça como o herói perfeito. O roteiro tem a intensidade romântica que Shahrukh Khan consegue carregar como ninguém. Veer é maior que a vida. Não existe nada mais importante que seu amor: nem seus pais, sua profissão ou sua terra natal lhe importam mais do que a felicidade de Zaara. Até mesmo o extremo respeito pelas figuras parentais está presente – característica clássica dos heróis de Shahrukh Khan, que costumam ser rebeldes apenas até o ponto em que isto não magoe seus próprios pais ou os de sua amada. É o típico bom menino que adquire força a partir da descoberta de um amor mais forte que ele mesmo. Os sacrifícios que faz por conta desse amor nos convencem de que nada pode quebrar o sentimento e nem o próprio Veer. Ele e seu amor são invencíveis.

Zaara é uma heroína espevitada, geniosa e engraçada, porém não contribui de forma tão intensa quanto Veer para a percepção de que aquele amor vence todas as barreiras. Ela é uma fonte de inspiração para as pessoas à sua volta: inspira o tio de Veer a construir escolas para meninas e o próprio Veer a lutar por ela. Sua participação na história principal começa a ser construída quando descobre-se apaixonada pelo piloto indiano, mas suas batalhas por esse amor ficam ocultas durante quase todo o tempo de exibição do filme. Em sua maior parte vemos Zaara sofrendo pela distância do amado e sendo surpreendentemente submissa diante do pai. A Carol de 17 anos provavelmente me mataria ao ler isso, mas reassistir me fez notar que Preity Zinta não tem um grande potencial dramático. Não é uma atriz ruim, pois falta total de talento seria transparente e destruiria um filme como esse. Entretanto, é visível que sua entrega em cenas muito emotivas fica aquém da de Shahrukh Khan. Sejam suas lágrimas ou mesmo a forma como diz suas falas, tudo o que emprega para demonstrar amor e tristeza carece da dor, e até mesmo do quê de desespero que uma história de amor maior que a vida exige.

O que falta nela está presente em Rani Mukerji. A advogada Saamiya Siddiqui é idealista e sua forma de ver o mundo e mover-se nele só é possível (e plausível) em um filme assim. Saamiya fala sobre justiça, honestidade e respeito em termos simples e diretos como os usados por uma criança ingênua. Isto faz com que sua conexão com Veer seja fácil de compreender para quem assiste. Saamiya é tão crente na força da honestidade quanto Veer, porém sua insistência em seguir apenas o caminho correto não é tão forte quanto a dele. Sobra espaço para que a jovem possa aprender algo sobre persistência com o nosso herói. Afinal, ele não pode perder o papel de único ideal de perfeição da história. Isto não a impede de ser alçada ao posto que uma advogada em uma história assim deve ter: ela não é vista apenas uma profissional dedicada, mas sim como um anjo enviado para agir por meio da justiça dos homens. Rani certamente respondeu o desafio à altura.


Esta é uma obra clássica e sua trilha segue esta ideia. As canções foram baseadas em composições antigas não-lançadas do diretor musical Madan Mohan, falecido há muitos anos. Seu filho decidiu utilizar as músicas do pai e Lata Mangeshkar entrou no projeto especialmente devido ao seu carinho pelo falecido compositor. Cada faixa é mais fantástica que a outra, mas não deixa de ser estranho ouvir a voz envelhecida de Lata saindo dos lábios da jovem Preity. Minhas favoritas de anos atrás seguem sendo-o hoje, especialmente Aisa Des Hai Mera, Lodi e Aaya Tere Dar Par. Aisa Des Hai Mera apresenta uma bela e impossível Índia, tão necessária para dar o tom de encanto do romance. Lodi é o alegre musical de festival que não pode faltar em filmes clássicos, pois apresenta o lado jovem e divertido dos personagens principais. Outro ponto que o faz ser cativante é pôr em evidência o amor de um casal mais velho, representado pelos impecáveis Hema Malini e Amitabh Bachchan. Por fim, Aaya Tere Dar Par traz os anos 60 para a tela. É um qawwali tradicional, no qual os músicos estão presentes em cena e cantam com vigor a dor dos personagens. O musical é fundamental para estabelecer a transição do romance para o drama na história.


Veer-Zaara é o romance à moda antiga que consegue ser atemporal. Helicópteros modernos e telefones antigos participam da mistura de elementos que tornam impossível localizá-lo em alguma época específica. Um dos grandes acertos de Yash Chopra foi ter criado uma Índia utópica, na qual não há problemas. Isto deixa todo o espaço para o romance principal e ele se torna o único centro da atenção do espectador. Um romance tão destacado do mundo real dá permissão para falas românticas intensas. É nisto que falham outros romances que comentei, como Hamari Adhuri Kahani. Uma fala maior que a vida precisa estar inserida num mundo maior que a vida.

Houvesse maior participação da heroína nos momentos de maior drama do filme e fosse sua interpretação à altura da entregue pelo herói, ­­Veer-Zaara provavelmente seria um dos meus filmes favoritos. Mas isso é questão de gosto pessoal e do que se escolhe para colocar um filme em uma categoria especial aos próprios olhos. Nada que não me faça reconhecer que este é um filme entre um milhão.

3 comentários:

  1. Você me faz querer gostar do filme lembro o texto. Mas... algo falha. Talvez algum dia do reassista para tentar explicar.

    Escreve belamente, menina Carol.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez você goste da parte mais tensa, logo após Aaya Tere Dar Par. Acho a mais legal!

      É infinitamente gentil, menina Isa.

      Excluir

E aí, o que tem a dizer? Deewaneie!

Comentários ofensivos serão excluídos.