10 filmes para conhecer a Bollywood antiga

28.1.16 Carol Batista 3 Comments

Ao assistir aos filmes contemporâneos de Bollywood, vez ou outra aparecem claras referências a vários filmes que construíram a história do cinema hindi. Muito foi produzido durante esses mais de 100 anos de indústria e a quantidade avassaladora de obras pode ser massacrante para o fã que deseja desbravar as terras do ontem. Alguns desejam aprofundar-se totalmente naquele mundo, porém há também as pessoas que desejam descobrir se é um universo que vale a pena, além de outras que não se interessam tanto, mas desejam conhecer o básico para não deixarem passar as referências mais importantes. 

Foi pensando nessas demandas que criei a lista a seguir. Ela é composta por dez filmes que considero suficientes tanto para uma introdução à antiga Bollywood aos novos fãs quanto para fornecer uma noção básica do cinema antigo a quem quiser apenas isso. Como ocorre em toda lista, as escolhas foram bastante subjetivas, porém segui alguns critérios de inclusão:

- Filmes até os anos 70.
- Inclusão de ao menos um filme de cada ator da santíssima trindade do cinema antigo: Dilip Kumar, Dev Anand e Raj Kapoor.
- Inclusão de filmes que marcaram sua época e influenciaram as posteriores.
- Inclusão apenas de títulos aos quais se possa ter acesso com legendas em português. Todos os filmes da lista estão disponíveis no Cine Challo.

Peguem a pipoca e conheçam os escolhidos!

10 - Amar Akbar Anthony


Já comecei a lista com uma escolha pra lá de controversa, mas tenho meus motivos. Amar Akbar Anthony é o filme de maior sucesso do diretor Manmohan Desai, que conseguiu a impressionante marca de praticamente 10 anos seguidos emplacando blockbusters nas bilheterias. Manmohan é considerando o pai bollywoodiano do gênero masala, que tanto tem dado dinheiro recentemente: histórias em que drama, comédia, ação e romance se sucedem rápida e inesperadamente, desafiando as leis da lógica. Diretores recentes de enorme sucesso, como Rohit Shetty (Chennai Express) e Sajid Khan (Housefull) declaram Manmohan como sua maior influência.

O filme conta a complicadíssima história de Kishanlal, um homem que é enganado por seu ex-patrão e em seu anseio de vingança acaba se perdendo da esposa e dos três filhos. Os três meninos são separados e criados em religiões diferentes: Amar é hindu, Akbar é muçulmano e Anthony é cristão. Todas as reviravoltas possíveis acontecem entre musicais fabulosos, muita ação e comédia. O elenco é estelar: Amitabh Bachchan - no papel que o ajudou a se tornar um herói de comédia - , Vinod Khanna, Rishi Kapoor, Neetu Singh, Shabana Azmi e Parveen Babi. Posso ser suspeita para falar do meu filme favorito, mas uma coisa posso garantir: de tédio não se morre assistindo a este filme.

9 - Bobby



Até Bobby chegar aos cinemas, os adolescentes não tinham muita importância no cinema indiano. Seus papéis eram sempre os das irmãs ou irmãos infantilizados dos protagonistas. Rishi Kapoor tinha 21 anos e Dimple Kapadia tinha 16 quando foram lançados ao estrelato interpretando o rico Raj e a pobre Bobby, que lutam para proteger seu amor do preconceito de classe. O tema foi intensamente explorado nos anos subsequentes, quando passamos a ver muitos filmes sobre jovens se rebelando contra as famílias pelo seu amor. Foi o filme que lançou Rishi como herói romântico e salvou as finanças dos Kapoor após o retumbante fracasso de Mera Naam Joker.

8 - Aradhana



A noção de superstar que conhecemos hoje surgiu com a figura de Rajesh Khanna e foi Aradhana que o alçou ao posto. O ator de olhos doces e fala mansa conquistou milhões de fãs, que chegavam a lhe escrever cartas de amor com sangue. Aradhana mostra o romance entre Vandhana (Sharmila Tagore) e o piloto da Aeronática Varun (Rajesh Khanna). Seu amor é tristemente interrompido e deixa sequelas dramáticas - sequelas que deixam Rajesh ainda mais apaixonante aos olhos de quem assiste.

Aradhana é um belo exemplar da estética dos anos 60, mostrando a heroína Sharmila Tagore com o famoso penteado de colméia sendo cortejada em meio a verdejantes montanhas repletas de coloridas flores. É possivelmente um dos melhores representantes do estilo de romance doce e dramático que dominou as bilheterias dos anos 60. Gostando desse, é capaz de você gostar de todos.

7 - Guide



Guide é um dos projetos mais ambiciosos do cinema indiano. Foram gravadas duas versões: uma em hindi, dirigida por Vijay Anand, e outra em inglês, dirigida por Tad Danielewski. Os críticos americanos não gostaram da obra e o público também não se animou. A versão em inglês é pouco conhecida e sua única cópia estava em mãos de Dev Anand, falecido em 2011.

O filme relata a controversa história de amor entre o guia turístico Raju (Dev Anand) e a dançarina Rosie (Waheeda Rehman). Rosie foi um papel arriscado para Waheeda, que teve medo de não ser apreciada pelo público indiano. Ela deixa sua casa e o marido para ser feliz fazendo o que ama: dançar. O movimento arriscado provou ser um sucesso e Rosie é amada pelo público até hoje. Guide merece ser visto tanto pela introdução de uma heroína que segue as próprias vontades quanto por ser a primeira tentativa feita pelo cinema indiano de conquistar o público americano.

6 - Pyaasa


Não existe lista de filmes antigos que não tenha Guru Dutt. Após dirigir e produzir algumas comédias e romances, o diretor teve recursos para investir no tipo de filme que sempre sonhou, resultando no lançamento de Pyaasa. O filme conta a história de Vijay, um poeta que não consegue publicar seu trabalho e o vê sendo constantemente rejeitado por editores e público. A única que dá valor ao seu trabalho é a prostituta Gulabo (Waheeda Rehman), que usa todo o seu dinheiro para publicar os poemas de Vijay quando ele é dado como morto por engano. É então que se explora a hipocrisia da sociedade: quando a pessoa é viva não recebe reconhecimento, mas o status da morte engrandece seu trabalho. Pyaasa é um dos filmes indianos mais apreciados no Ocidente e certamente é a obra mais amada de Guru Dutt.

5 - Do Bigha Zamin



Bimal Roy é um dos poucos diretores indianos que teve sucesso ao mesclar temas sociais e elementos do cinema comercial. A exploração da classe trabalhadora pela classe rica é o tema principal de Do Bigha Zamin, que conta a história de Shambu Mahato (Balraj Sahni), um pobre fazendeiro que faz de tudo para não perder seus dois acres de terra para o rico Harnam Singh (Murad). Bimal Roy era mestre em tratar de temas importantes em filmes sem abrir a mão da música - tão importante no cinema indiano. Sua influência é clara em diretores como Hrishikesh Mukherjee (Anand, Abhimaan) e o contemporâneo Rajkumar Hirani (3 Idiots, P.K.). Do Bigha Zamin levou o prêmio de Melhor Filme nas primeiras edições dos prêmios Filmfare e National Film Awards. Como se já não fosse o suficiente, também foi vencedor do prêmio internacional do 7º Festival de Cannes. Precisa de mais?

4 - Awaara



Raj Kapoor foi grandemente influenciado pelo personagem Carlitos, de Charlie Chaplin. Seu personagem mais famoso é o vagabundo Raju, que fez a primeira aparição em Awaara. Raju é filho do juiz Raghunath, interpretado por seu pai, Prithviraj Kapoor.  O juiz condena à prisão Jagga apenas pela crença de que ter um pai criminoso faz dele um bandido. Jagga vinga-se do juiz deixando-o em dúvida sobre a paternidade do filho de sua esposa. O juiz a expulsa de casa e Raj cresce vendo uma figura paterna em Jagga - que o cria como um criminoso de maneira a provar ao seu juiz que o nascimento não influencia o caráter. Awaara fez imenso sucesso na Índia, União Soviética, Romênia, Afeganistão, Turquia e China. É o filme mais conhecido do casal Raj Kapoor e Nargis e até hoje os filhos de Raj Kapoor são recebidos com carinho em outros países devido ao amor que o público dedica ao seu pai.

3 - Mughal-E-Azam



O maior romance da história de Bollywood demorou anos para ser feito, mas quando foi lançado não deixou espaço para mais ninguém. A impossível história de amor entre o príncipe Salim (Dilip Kumar) e a criada Anarkali (Madhubala) foi o filme mais visto de Bollywood durante 15 anos e até hoje é o referencial para romances históricos grandiosos, como Jodhaa Akbar e Bajirao Mastani. Foi o filme mais caro feito na época e estabeleceu novos padrões de investimento de cuidado para os filmes indianos. Se hoje temos filmes que enchem os nossos olhos com beleza e glamour, agradeçam a Mughal-E-Azam.

2- Mother India


Radha sempre será a figura clássica da mulher indiana. Nargis imortalizou a imagem da mulher forte, digna e decidida que não mede esforços para criar os filhos sozinha sem perder seus valores morais. Foi este o papel que a consagrou como uma das maiores atrizes do cinema indiano. O filme conseguiu uma indicação para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 1958 e perdeu para Noites de Cabíria por apenas um voto. É item básico para qualquer fã de cinema indiano e é um poucos filmes indianos possíveis de encontrar para compra no Brasil.

1- Sholay



O que pode ser maior que Awaara, Mother India e Mughal-E-Azam? Bom, só o filme indiano mais amado de todos os tempos. Há uma diferença grande entre admiração e amor, e o público indiano é completamente apaixonado por Sholay - que não recebeu o Filmfare na época de seu lançamento, porém foi recentemente eleito o Melhor Filme dos Últimos 50 Anos na mesma premiação. Sholay gastou muito mais do que se imaginava possível na época e uniu um elenco estelar: Amitabh Bachchan, Dharmendra, Hema Malini, Jaya Bachchan e Sanjeev Kumar. Diferentemente das rápidas produções da época, levou dois anos para ficar pronto devido ao ambicioso trabalho do diretor Ramesh Sippy. Tanto esforço rendeu frutos e o filme conseguiu roubar o status de filme mais visto de Mughal-E-Azam.

Sholay é a história dos bandidos Jai (Amitabh Bachchan) e Veeru (Dharmendra), que são contratados pelo Thakur Baldev Singh (Sanjeev Kumar) para capturar o vilão Gabbar Singh (Amjad Khan). Totalmente inspirado em filmes de faroeste, Sholay tem as melhores cenas da ação da época e forneceu ao mundo a figura de Gabbar Singh, que é até hoje considerado o maior vilão da história de Bollywood. A repercussão do filme foi tão estrondosa que até mesmo fitas com os diálogos dos filmes foram lançadas e rapidamente sumiram das lojas. As falas do filme fazem parte do imaginário do público indiano e até hoje surgem inúmeras referências em outros filmes. Não é possível transmitir a dimensão da importância de Sholay para o cinema indiano, então apenas saibam que vocês têm que assistir. É obrigatório, simples assim.

São essas as minhas sugestões para vocês. Tem alguma opção que considera mais interessante? Deixe nos comentários!

3 comentários:

  1. "Posso ser suspeita para falar do meu filme favorito, mas uma coisa posso garantir: de tédio não se morre assistindo a este filme."

    Amitabh sabe muito bem rsrsrsrs....

    Raquel

    ResponderExcluir
  2. HAHAHAHAHA, como pude esquecer de comentar no post que eu falei sobre esse filme com ele?

    ResponderExcluir
  3. boa tarde alguem me sabe dizer como arranjar o filme amor de mae ou como se chama em indiano?este muito tempo a passar nos cinemas portugueses.obrigado

    ResponderExcluir

E aí, o que tem a dizer? Deewaneie!

Comentários ofensivos serão excluídos.