A realidade das premiações em Bollywood

2.2.16 Carol Batista 2 Comments

Há anos comentamos nos meios de cinema indiano sobre como não devemos levar a sério as cerimônias de premiação indianas. Recentemente passei a me perguntar se as pessoas sabem o porquê disso e percebi que eu mesma não sabia exatamente do que estava falando. Era hora de pesquisar.

O primeiro grande boicote contemporâneo às cerimônias de premiação de Bollywood veio da parte de Aamir Khan. Uma das maiores estrelas da indústria e responsável por alguns dos maiores sucessos de bilheteria da história da Índia, como P.K. e 3 Idiots, o ator não comparece aos prêmios. O mesmo fazem Ajay Devgan e, mais recentemente, também Kangana Ranaut. Por que será?


A resistência vem da total falta de seriedade em todos os aspectos das principais premiações. As cerimônias são inúmeras e sua organização é feita por empresas privadas, sejam revistas ou canais de TV - Filmfare, Stardust e Screen são alguns exemplos. Desta forma, é essencial para um veículo de comunicação que muitas estrelas compareçam à sua cerimônia, pois ela está competindo diretamente com muitas outras na guerra por patrocínios e audiência. É neste ponto que começa o problema. Para que o artista compareça à cerimônia, os organizadores lhes oferecem prêmios. A ideia é simples: quem não vai, não ganha. Isto levou à criação de uma cultura na qual não apenas os organizadores oferecem prêmios em troca da comparecimento, como também atores e atrizes só aceitam estar presentes com a garantia prévia de que serão premiados. Segundo Ajay Devgan:

Não acredito em premiações. Sempre fiz questão de nunca receber esses prêmios...eles (os organizadores) precisam do máximo de estrelas comparecendo à sua cerimônia, então ligam para você e dizem que se você comparecer ao evento, eles lhe darão um prêmio. Então de que adianta receber um prêmio apenas se comparecer à cerimônia? E se você não conseguir chegar no último minuto...a folha com o nome do vencedor muda e outro ator recebe o prêmio. Eu perdi a fé nessas cerimônias.

Algumas premiações disponibilizam votações pela internet, mas não há nenhum controle ou auditoria sobre o processo e devemos apenas confiar que os indicados sejam de fato aqueles em quem o público votou. Também não há informação sobre as composições dos júris nas categorias de prêmios da crítica.

Como a transmissão é feita pela TV, as cerimônias são recheadas de apresentações de dança. Os atores e atrizes são contratados para fazê-las e cobram um preço alto. É útil tanto para a audiência da premiação quanto para a autopromoção do artista. O público está sempre mais interessado em quem dançará do que nos vencedores das categorias. As apresentações também podem ser usadas como moeda de barganha, como contou Akshay Kumar ao crítico Rajeev Masand:

"Estou dizendo, muitas vezes recebo ligações, eles dizem 'daremos um prêmio a você, mas por favor, apresente-se no palco por metade do seu preço. Eu digo a eles 'fiquem com seus prêmios, me paguem a quantia toda!"

Quando os artistas não são nomeados para nenhum prêmio, mas exigem ganhar alguma coisa em troca de sua participação, são criadas categorias especiais. É delas que vem a sucessão de prêmios com títulos esdrúxulos que vemos todo ano: Diretor dos Sonhos, Casal Nº 1, Ícone Feminino Internacional, Atuação Poderosa do Ano e por aí vai. Lembram do péssimo Chennai Express? Sem condições de receber o prêmio principal, o filme de Shahrukh Khan foi agraciado com o prêmio de Lançador de Tendência do ano no Filmfare. Em 2013, Sridevi chegou a receber o prêmio de Imperatriz do Cinema Indiano. O ator Naseeruddin Shah comentou sobre seu elogiado filme A Wednesday ter sido ignorado por todas as premiações em 2009 e previu o futuro desses prêmios peculiares:

"Quando chegamos na loja, a loja já estava fechada - vamos colocar assim. Esses prêmios são uma piada e qualquer um que os leve a sério precisa ter a cabeça examinada. O que por sua vez significa que muitos na nossa indústria de cinema precisam ter suas cabeças examinadas. Mas por alguma razão, as pessoas sentem-se felizes quando os recebem. Suponho que seja pela apreciação que recebem. Além disso, eles gostam de estar juntos, bater nas costas uns dos outros, elogiarem uns aos outros, dar prêmios uns aos outros. Eles certificam-se de que todos sejam agradados, que todos estejam satisfeitos. Em dez anos haverá outro prêmio chamado Melhor Atriz no Papel de uma Tia Malvada e haverá outro prêmio chamado Melhor Ator no Papel de um Policial Vigarista e assim por diante - haverá uns 200 prêmios. Porque todos têm que ser agradados."



A confusão das premiações é intensificada durante os eventos, onde os artistas fazem exigências descabidas na última hora. A editora Sarita Talwar conta que uma famosa atriz, estrela de um famoso filme biográfico, havia sido indicada a um prêmio de Melhor Atriz Segundo a Crítica. Ela estacionou do lado de fora do evento, ligou para a organização e recusou-se a entrar caso não ganhasse o prêmio. As mudanças inesperadas também podem pegar os artistas de surpresa. O jornalista Subhash K. Jha cita duas histórias particularmente constrangedoras. Em 2011, Aishwarya Rai foi informada de que receberia o prêmio de Melhor Atriz por Guzaarish em uma cerimônia, mas o prêmio foi dado a outra atriz de última hora - boatos dizem que isto ocorreu a pedido de um importante ator. Sridevi passou pela mesma situação em 2013, quando uma premiação teria chegado a anunciar em seu website que ela receberia o prêmio de Melhor Atriz por English Vinglish. Quando outra atriz foi premiada durante a cerimônia, Sridevi e seu marido decidiram boicotar todas as cerimônias de premiação da temporada.

A eterna compra e venda de prêmios faz com que o público ria anualmente das piadas que são as indicações. Kalki Koechlin foi elogiadíssima por seu trabalho em Margarita With a Straw, mas não foi indicada ao Filmfare de Melhor Atriz. Em seu lugar tivemos Kajol sendo indicada pelo universalmente criticado Dilwale e, piada das piadas - Sonam Kapoor indicada por Dolly Ki Doli. O mesmo aconteceu em 2015, claramente o ano de Kangana Ranaut em Queen. O Star Screen Awards preferiu premiar Deepika Padukone por Happy New Year, já que valeria mais a pena premiar alguém que compareceria à cerimônia. Apesar de termos a impressão de que tudo isto é recente, a declaração dada por Rishi Kapoor de que comprou seu primeiro Filmfare em 1973 revela que a sujeira é mais antiga do que se imaginava.

O descontrole de egos é tamanho que até os apresentadores dão trabalho. Rekha só aceita premiar o melhor ator ou atriz. Sridevi teria se recusado a subir no palco para premiar um artista pelo conjunto da obra por sentir que merecia estar entregando algum prêmio mais relevante a um artista com importância atual. Todos querem o maior pedaço do bolo e empregarão todos os seus esforços para consegui-los.

O único ator que não recebe prêmios e ainda comparece às cerimônias é Salman Khan, que geralmente faz apresentações de dança. Já Aamir, Kangana e Ajay não passam nem na porta. Agora é possível entender que seu comportamento é uma posição política contra o aspecto mercadológico e corrupto que domina as premiações indianas. Há quem prefira levar a situação menos a sério e entrar no jogo, como Akshay Kumar:

"Muitas vezes no passado quando fui às premiações, eles me deram o cartão e eu olhei ao redor. Se o nome de uma pessoa mencionada na lista estiver sentado na minha frente, tenho certeza de que levará o prêmio. Virou um jogo de adivinhação. Na verdade, nem de adivinhação!"

Então deixemos que eles se matem, enquanto fazemos nossos bolões e brincamos. Sabemos que  a realidade dos prêmios da indústria é mais fantasiosa que seus filmes.

2 comentários:

  1. Agora clareou como funciona o jogo sujo das premiações. Parabéns pela pesquisa ;)
    De todas as informações a surpresa ficou por conta do Salman.

    Raquel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Quel! Também me surpreendi com o comportamento dele. É um meio termo entre as posições do Shahrukh e do Aamir.

      Excluir

E aí, o que tem a dizer? Deewaneie!

Comentários ofensivos serão excluídos.