Naseeb (1981)

11.12.11 Carol Batista 2 Comments

Quatro grandes amigos apostam na loteria, dividem o bilhete e acabam ganhando o prêmio. São eles Namdeo (Pran), Damu (Amjad Khan), Raghu (Kader Khan) e Jaggi (Jagdish Raj). Como o dinheiro pode mudar até aqueles que mais pensamos conhecer, Damu e Raghu unem-se num plano para matar Jaggi, incriminar Namdeo, matá-lo também e ficar com o dinheiro. O tempo passa e os filhos de todos crescem. Vicky (Shatrughan Sinha), filho de Damu, é melhor amigo de John Johnny Janardhan (Amitabh Bachchan), filho de Namdeo que trabalha como garçom no hotel do pai do amigo. Johnny usa seu dinheiro para pagar a educação do irmão, o lindo, travesso e maravilhoso Sunny (Rishi Kapoor). Vicky e John nem imaginam estar apaixonados pela mesma mulher, a cantora Asha (Hema Malini). E Vicky também não imagina que Julie (Reena Roy), irmã de criação de seu melhor amigo, esteja apaixonada por ele. Aí tem uns tiros, muito dishoom-dishoom, mais romance, amizade, questões religiosas pingadas, comédia, Carol se perdendo...já deu pra adivinhar que estou falando de um puríssimo festival masala? Tenho dificuldades para escrever sobre filmes masala por terem histórias e reviravoltas demais, porém adoro vê-los. O último sobre o qual eu havia falado foi Amar Akbar Anthony, que é do mesmo diretor, Manmohan Desai.

Hum...tentando não me perder...qual foi a coisa mais gostosa do filme? A mais deliciosa, mais cheirinho de terra molhada (estou de férias, com sono e brega)? Ou melhor, quem foi? Claro que foi o Rishi K...opa, não! Surpresa!

Claro que sou eu!

O que antes só era dito em conversas secretas no msn agora será público: estou me apaixonando pelo Amitabh Bachchan. Amo seus olhos, amo sua altura, sua voz, seu jeito de dar vida às músicas e principalmente, seu senso de humor. Antes nem me importava com ele ou apenas o achava legal, agora já procuro filmes por saber que são dele. E Naseeb só contribuiu para o aumento do encantamento (rimou bonitinho). Johnny é uma espécie de Anthony Gonzalves 2.0: o rapaz pobre, boa gente, fiel amigo, adorável em sua simplicidade e muito corajoso. Eu deveria me sentir mal por sempre gostar da mesma coisa? O Amitabh é incrivelmente carismático e consegue me fazer sorrir por pouca coisa. E olha que gostei mesmo que o personagem por algum tempo tenha assumido um lado mais dramático e beberrão que acabou com o clima comédia. Esta vertente dramática veio com o triângulo amoroso formado por John, Asha e seu melhor amigo, Vicky. Provavelmente não me despertou grandes torcidas porque já notei que não sou muito fã do casal Amitabh-Hema, que não tem química. Torci para que ficassem juntos porque este é o comportamento de praxe, mas nem me incomodaria muito se ela ficasse com o Vicky...


Por falar no Vicky, o Shatrughan Sinha começa a entrar na minha lista de pessoas que não são favoritas, mas que aprecio ver. Sua função no filme é ser o amigo que serve de escada para termos os grandes momentos de abnegação do Amitabh, mas não é que foi uma boa escada? O Vicky começou a beber após ser rejeitado pela Asha e isto facilmente faria o personagem ser odiável, mas o Shatrughan (este nome é difícil) consegue mostrar que ele está perdido, mas não deixou de ser uma boa pessoa. Isto fica bem claro na cena em que vê Julie e sem imaginar que as lágrimas em seus olhos são por não ter seu amor correspondido, começa a falar sobre como ela estava bonita e deveria se casar. Fica claro o sentimento fraternal que o move em direção à ela e ao amigo, e talvez por esta bondade ainda presente que os dois se sacrifiquem tanto por ele. Enfim, draminha demais nisto aqui e nem o Manmohan deve ter pensado nisto tudo. E realmente não é este o legal do filme.

O legal é a bagunça. E muito dela só começa realmente quando o Sunny volta para casa! Já havia visto o Amit e o Rishi como irmãos em AAA, mas o carinho de um pelo outro em Naseeb é mais presente e comovente. Prova dele é o fofíssimo clipe de Chal Mere Bhai, cantada pelo nosso Rafi. Sunny desesperado para convencer o irmão a ir para casa enquanto John brinca por aí com sua garrafa de bebida. Mas não são apenas os dois que fazem a minha festa: o time de vilões deste filme é impecável. Amrish Puri, Amjad Khan, Kader Khan, meu querido Prem Chopra e uma figurinha que eu não tinha reconhecido, mas li agora que é o Shakti Kapoor. Deve haver até mais vilões clássicos, mas só reunir o Prem e o Amjad em um filme já é o bastante para que seja obrigatório. No meu mundo.

Sobre o Shakti: a sua cena metralhando geral foi uma das que mais gostei de ver na vida. De verdade, repeti e tudo.

Começa com uns tiros tranks.
Aí o Shakti se animou e PÁPÁPÁPÁPÁPÁ!

O que mais tinha de lindo: a ação. Uma das melhores sequências de ação final que já vi, com heróis fantasiados, fogo, espadas e um restaurante giratório. Essa coisa de restaurante giratório realmente existe? Fiquei enjoada só de vê-los dançando enquanto tudo girava, imaginem se estivesse comendo na hora. Tem movimento demais e os prints ficaram ruins.

Amitabh de toureiro, Rishi de Raj Kapoor/Chaplin e
Shatru ji de sei lá o que. Tem como não adorar?

As músicas são agradáveis, mas não marcantes. A da imagem acima é Rand Jamake Jayenge, que me lembrou a música que fecha o Amar Akbar Anthony. O conceito é o mesmo: usar fantasias para enganar os bandidos e fazer graça. Apesar de ter sentido falta do Vinod Khanna (vou me socar na próxima vez que falar de AAA), o Shatru ji conseguiu ser um bom engraçadinho. Rishi e Amitabh já são experts. A pior da trilha é Mere Naseeb Mein, que mostra como a Hema Malini não sabe fingir ser cantora. Ela fez de tudo com aquele microfone, menos colocá-lo perto da boca. E a música é chata. Acho que eu esperava mais de um clipe iniciado com um vaso gigante de flores. Aliás, parecia que a Hema estava saíndo de dentro de uma xícara de café. Eu ri.

Única razão da presença desta foto: amor.

Não deveria me surpreender que um dos melhores clipes seja com o Rishi. Mostra um jogo misto de um esporte desconhecido para mim (chamam de "Hututu" na legenda), mas as imagens são tão legais que pouco me importei. A música é Pakdo Pakdo Pakdo. O clipe que eu mais queria ver e me levou ao filme era John Johnny Janardhan (ou "John Jani Janardhan") porque tem a presença de muitas estrelas, tal como a Waheedinha, a Sharmila Tagore, Mala Sinha, o Dharmendra — adorável enquanto se esforça para não rir — e o mais fofo de todos, Raj Kapoor com seu acordeão, como no Sangam. Imaginava um clipe mais legal. Os artistas estavam muito à distância e eu acreditava que fariam alguma coreografia, que não ficassem apenas olhando sorridentes enquanto o Amitabh fazia todo o trabalho.

Olha as religiões aí.

Minha impressão geral sobre Naseeb é que apesar de muitas vezes ter corrido o risco de ficar tedioso (especialmente por causa do drama), termina por ser masala de muito boa qualidade. A questão do masala na minha vida é nunca deixarem a ação de lado, não importa quanto se queira desenvolver o romance, a comédia e o drama. Quando eu já estava cansando do filme, a ação voltou a todo vapor e fui feliz. Não é um dos meus masalas ou Manmohans favoritos, mas qualquer filme que mostre mocinhas ajudando a salvar o dia e o Shatrughan Sinha num cavalo branco merece ser visto.

2 comentários:

  1. Comprei este filme há um tempão e os primeiros 20 minutos não têm legendas *tristeza*

    ResponderExcluir
  2. É um absurdo! Mas você assistiu? Acho que nos 20 minutos iniciais só ocorre a história do bilhete de loteria.

    ResponderExcluir

E aí, o que tem a dizer? Deewaneie!

Comentários ofensivos serão excluídos.